jusbrasil.com.br
20 de Setembro de 2017

Será um novo Brasil que está por vir?

Conhecendo um pouco do cenário da política brasileira e os últimos acontecimentos.

Davi Jonathan Morais de Araujo, Estudante
há 8 dias

Atualmente nos noticiários só se vê temas como: "Corrupção", "Operação Lava-Jato", "Delação Premiada" e outros, mas, a pergunta que todo brasileiro se faz nesses momentos é: até quando a corrupção tomará conta de nossa política? Será o juiz Sérgio Moro o salvador da pátria?

Vimos que, parlamentares de diversos partidos estão enclausurados num imenso "mar de corrupção", levando os brasileiros à insatisfação com aqueles que deveriam lhes representar. Na contramão também temos políticos que mesmo dentro do governo e sabidos da insatisfação de seus representados, insiste em subestimá-los, tendo a ideia que "a população nunca sabe o que (quanto de propina) e/ou quem (parlamentares, empresários etc.) está por trás de cada matéria votada".

Desta forma, a política brasileira vive o maior escândalo de sua existência e a famosa operação "Lava-Jato" iniciada em 14 de março de 2014, ainda não há rumos para finalizar, tendo em vista seus desdobramentos, que cumpriu mais de mil mandados, desde buscas e apreensões, prisões (temporárias ou não) e conduções coercitivas.

Nos últimos tempos, a operação atingiu seu ápice, quando os executivos da JBS, Joesley Mendonça Batista e Wesley Mendonça Batista, firmaram um acordo de leniência entre a empresa citada e a Procuradoria-Geral da República, na qual entregaram provas que incriminavam o atual Presidente da República Michel Miguel Elias Temer de Lulia, por corrupção.

Mas nas últimas semanas, houve um revertério no cenário criado pela JBS, quando o ministro Luiz Edson Fachin, determinou a prisão temporária dos empresários do grupo J&F da qual pertence a JBS. Segundo Fachin, os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, omitiram informações dos investigadores, quebrando assim cláusulas do acordo.

Os delatores Joesley e Saud, em depoimentos prestados na última quinta-feira (7), em Brasília, negaram ter omitido provas dos investigadores. Aos procuradores, eles atribuíram comentários feitos durante o áudio de quatro horas gravado em 17 de março a "conversa de bêbados".
Fonte: G1.com (clique aqui)

Contudo, mesmo após toda essa incerteza vivida pelos brasileiros, a esperança por uma política honesta ainda está acesa. Aos poucos uma corrupção criada por anos começa a ser desmontada e as "máscaras" daqueles que propiciavam esse estado, aos poucos começam a cair. A operação "Lava-Jato" ainda irá desvendar mais episódios similares, mas traz ao povo uma sensação de potência para tais efeitos, ou em outras palavras, uma sensação de crédito tirado pela política.

Será um novo Brasil que está por vir?

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Parabéns pela postagem. Suas reflexões são excelentes. É bom ver jovens se manifestando sobre a atual situação do país. A pergunta que encabeça o texto é perfeitamente pertinente. Sem dúvida um novo Brasil está por vir. Não podemos, porém, garantir se será melhor ou pior.

Eu, por exemplo, votei em Lula em 2002. Quando em 2006 estourou o escândalo do mensalão, decidi não mais votar no PT, porque percebi que ele era a antítese do que pregava. Passei enxergar a demagogia, ao constatar que sua prática contradizia as propostas de defender o país dos corruptos. Isto porque os corruptos de ontem tornaram-se grandes aliados dos governos petistas e o povo, apesar daquele escândalo, continuou a apostar no partido reelegendo Lula, Dilma e outras figuras execráveis.

A nova bomba lançada pela Operação Lava-Jato parece, enfim, ter reduzido bastante o crédito político do partido da estrela e ele acabou trucidado nas eleições de 2016. Talvez nas eleições de 2018 não só o PT, mas também grandes partidos como PMDB e PSDB possam ser lançados na lata de lixo da história.

É preciso, porém, ficar atentos para a mágica da alteração das siglas partidárias. As redes sociais exercerão, por certo, relevante papel no sentido de esclarecer a sociedade quanto ao truque da mudança de nome dos partidos e diluição de corruptos em outras hostes com vista à manutenção de verdadeiras quadrilhas no poder. Partidos que abriguem em seus quadros figuras como Maluf, Jucá, Renan, Barbalho, Aécio, Serra e outros elementos dessa estirpe merecem ser tão massacrados quanto o de Lula nas próximas eleições.

Como se vê, democracia se aprende praticando e os erros são, geralmente, os melhores professores. continuar lendo

Um novo Brasil virá apenas quando o Cidadão Irresponsável tiver medo do Judiciário como tem o Devedor de Alimentos. Caso contrário apenas veremos novos Irresponsáveis agredindo a Sociedade de Bem continuar lendo